Quando temos um evento importante à frente, como uma apresentação, isso nos causa ansiedade, stress, pensamentos apocalípticos, vontade de desistir, tudo isso e muito mais.

Não acredito que seja possível deixar de ficar nervoso com a mera rotina de apresentações. Tão pouco que isso seja bom. Ausência de nervosismo convida à displicência.

Acredito em controlar suas ações mesmo nervoso. É possível você se controlar tão bem que vão achar que você não está nervoso.

Entre as várias formas de controlar suas ações sem deixá-las levar pelas emoções é se expôr a cenários piores que você irá enfrentar e sair-se bem mesmo assim. Além de, após este processo, você achar mais fácil tocar, você também poderá calar seus pensamentos apocalípticos lembrando que você logrou sucesso numa situação pior.

Quando você está nervoso, seu coração dispara. Então toque com o coração acelerado. Faça alguns polichinelos, suba escadas, enfim, faça algum exercício que suba seu batimento cardíaco rapidamente e toque logo em seguida, ainda com o coração agitado.

Quando você está nervoso, sua mão fica fria. Então toque numa sala em baixa temperatura, ou mergulhe suas mãos na água gelada antes de tocar.

Quando você está nervoso, sua atenção consegue captar mais o seu entorno e um ruído simples te desconcentra. Então toque numa sala com uma TV ou um rádio ligado.

Esses são só alguns exemplos de situações que podemos simular o pior cenário possível que você enfrentará. Assim como a simulação da apresentação, ela deve ser feita em tempo suficiente para poder mudar alguma coisa. E, caso você já tenha tido problemas pra tocar anteriormente, é importante fazer esta simulação mais de uma vez.

Baixe dicas sobre técnicas de estudo, planejamento, organização, metrônomo, motivação, jogos de controle, técnica, e muito mais para estudar música melhor:
https://prodigious-artisan-5373.ck.page/85ee2e4506

Aplique melhor esse conhecimento com a ajuda de um diário de estudos baixando um modelo grátis em https://prodigious-artisan-5373.ck.page/17dc598fe2

Bons estudos,

Alvaro Henrique

Share This